Procure meus artigos por palavra-chave

domingo, 12 de setembro de 2010

*O Livro dos feitos notáveis

*O Livro dos feitos notáveis.
Prof. Chafic Jbeili, *pela graça de Deus! www.unicead.com.br

Deus me contou em sonho uma história que agora compartilho com você.

Sonhei que um homem de idade avançada, muito respeitado em sua comunidade e bastante conhecido na vizinhança do município onde habitava havia cinquenta anos estava cabisbaixo, triste, submerso no ócio daqueles dias maus. Parecia confuso, com o olhar fixo mirando o vazio, silenciosamente vagueando na oscilação de seus pensamentos, como quem busca algo sem saber o quê nem aonde encontrar.

Sua aparência não tinha formosura e sua apresentação não tinha graça. Aquele senhor parecia estar abandonado por si mesmo, largado à margem da sociedade e esquecido pelos familiares, mas algo de muito especial prendia minha atenção naquela cena, o que seria? Interessante que a imagem do velho não requeria de mim sentimento de pena ou de compaixão. Meu sentimento era de querer aprender! Mas, pensando bem, o que eu poderia querer aprender com um homem aparentemente fracassado, perdido, largado ao léu da sorte?

No sonho, aproximei do velho e perguntei se estava tudo bem. Ele suavemente retrucou: “Algumas coisas não saíram como eu desejava”. Então, perguntei se podia me assentar ao seu lado e ouvir um pouco de sua história. Aquele homem levantou a cabeça, olhou para mim e seus olhos estavam diferentes, começou a sorrir enquanto começava lembrar e contar sua história de vida, desde o princípio, a começar pelo nascimento pré-maturo, turbulento, mas que brava e milagrosamente havia sobrevivido e por isso foi batizado de Vitório Augusto e, em posição napoleônica, revelou que o significado de seu nome era “Nobre vitorioso”!

Ao dizer o significado de seu nome e rememorar como venceu os desafios que a vida lhe apresentou ao longo do tempo em que viveu sua infância, adolescência, juventude e vida adulta aquele homem se levantou, começou a gesticular com firmeza dando ênfase às coisas que falava. Ele, além disso, colocava cada vez mais ênfase no tom e volume de sua voz, de forma que outras pessoas se aproximavam para ouvir sua fascinante história, repleta de angústias, apertos, traições, doenças, perseguições e muitos desafios, mas para cada um dos males que viveu também contou como conseguiu superá-los e vencê-los de forma íntegra e honesta, na medida que lhe era possível e razoável.

Ele gostava de lembrar quem foi e aprovava as coisas que havia feito. Isso é muito bom!

Passei horas de sonho, quem sabe minutos, como se fossem dias ouvindo a vibrante história daquele homem. Com o coração leve e o corpo descansado comecei a me afastar dele, como quem vai embora e ao olhar para trás o vi ainda falando às autras pessoas com a eloqüência verbal e gestual característica dos mestres gregos sofistas oriundos de Atenas, Jônia e Magna, berços da filosofia clássica, como se pode estudar nos livros de história e cultura geral.

Acordei energizado, alegre, esperançoso, feliz por ter aprendido que além de uma boa e forte conversa com Deus, o melhor remédio para aqueles dias maus, onde se é acometido por tristeza, desânimo, cansaço, indignação ou medo do futuro é relembrar como os desafios do passado foram superados. É preciso lembrar quando os problemas pareciam sem solução, sem saída e de repente, tal como o ancião do sonho, de aparentemente fraco e moralmente abatido passou a ser agente de forças, ânimo e esperanças.

É sabido que cada pessoa diz ser aquilo que lembra de si. Como em geral as coisas que não deram certo ocupam mais espaço na mente, então ocorre a dissonância, quando as pessoas tendem a lembrar de si de forma negativa e até pejorativa alterando muito a percepção sobre o que elas realmente são de fato! Nessas horas uma águia é capaz jurar que é galinha e não tem santo que a convence da realidade!

Tive então a idéia de criar e incentivar outras pessoas a escreverem para si o seu “livro pessoal dos feitos notáveis”. Pegue um caderno capa dura e escreva, ano a ano, a partir do seu nascimento até o dia de hoje seus momentos de vitória. Traga à memória tudo quanto lhe for possível lembrar daquilo que deu certo em cada ano de sua vida. Registre neste caderno desde aquela corrida de pega-pega que você venceu dos colegas quando era criança e até aquele verdadeiro milagre com o qual você foi agraciado ou agraciada. Lembre-se daquela viagem fantástica ou de qualquer outro evento positivamente importante e que considere notável à época.

Quando eventualmente um daqueles dias maus bater à sua porta, abra seu livro dos feitos notáveis e releia sua história para ele! Diga o significado de seu nome e conte ao dia mau o tamanho de sua força, inteligência e fé. Faça como o Sr. Vitório Augusto e mostre como você venceu várias vezes os desafios que a vida lhe apresentou. Tranquila e seguramente ele, o dia mau, ficará muito mais temeroso de você do que você dele!

Registre seu cometário sobre este texto logo abaixo!

Abraços,

Prof. Chafic

CONSULTORIA - CURSOS - OFICINAS - PALESTRAS
Formação continuada e qualificação profissional
(38)3082-0876 - e-mail: chafic.jbeili@gmail.com
www.chafic.com.br | www.unicead.com.br
Montes Claros(MG) | Brasil

6 comentários:

  1. Querido professor Chafic:

    Seus textos são notáveis e brilhantes como sua vida, tocam-nos de forma singular, possuem uma marca de sábio+ conhecimento do valor de vidas felizes, que possuem olhar aguçado e eternas aprendentes apesar de tudo, leio e releio e a cada instante, percebo a inspiração, intensidade, dedicação, verdade e amor em suma, é um dom escrever bem,continue,a palavra revigora,registra,espalhando paz, quietude e cumplicidade,grande abraço,eterna aluna: EDNA.

    ResponderExcluir
  2. Mércia Christiane Ferreira Lopes12 de setembro de 2010 20:36

    Oi Chafic,

    Brilhantemente você nos mostra que meio às tormentas ou a tudo aquilo que nos parece estar ou ser imprestável, ruim, feio, destruído, temeroso, sempre há de existir um outro lado aproveitável, bom e nao tão obscuro, proveitoso, que pode ser transformado em condutor de forças e esperanças. São as muitas janelas que existem e que podemos visualizar.

    Caberá a cada um de nós às buscas e os encontros.

    Quanto ensinamento... quanto aprendizado!

    Abraços,

    Mércia

    ResponderExcluir
  3. Olá professor seu texto é muito rico, e nos faz querer escrever nossas memorias escondidas pelo tempo,as vezes as colocamos em caixas que no decorrer de nossas vidas agitadas esquecemos de abrir e perdemos aquilo que nos é mais precioso a capacidade buscar nas coisas simples as ditas insignificancias a verdadeira razao pra se viver.Um grande abraço ,continue nos saboreando com sua capacidade de encantar por meio das palavras.

    ResponderExcluir
  4. Ola professor, davero que nascestes para escrever. Muito legal a idéia do livro, porque muitas vezes, so recordamos as coisas ruins da nossa vida, e esquecemos que elas nos fazem crescer. Ficamos nos amargurando com elas e o que de bom a vida nos da todos os dias, nao contamos aos outros, nao agradecemos a Deus. Obrigada por palavras tao profundas e belas. Nao me esqueça!!!!

    ResponderExcluir
  5. impressionante a forma como os seus textos vão se encaixando nos caminhos literários que a vida nos traça.Lí e cada linha me fez voltar ao passado e relembrar dos "bem feitos"...Também recordei dos "maus feitos"...e lágrimas rolaram...Que bom; sinto-me aliviada pois meu nome representa "Luz" e então a claridade de tudo me fascina e a escuridão eu deixo para quem precisa passar por ela.Obrigada por tão nítidos esclarecimentos o sr Prof.Chafic é fascinante! Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito.Es brilhante,estou neste momento em busca de mentes brilhantes e voce me mostro seu talento a cada dia que leio seus textos. parabens.

    ResponderExcluir

Gostou do texto? Tem alguma consideração a fazer? Pro favor, quero saber sua opinião!

Cartilha sobre burnout em professores. Distribua!

Qual assunto te interessa mais?