Procure meus artigos por palavra-chave

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Docilidade é essencial!


Docilidade é essencial!
Prof. Chafic Jbeili – www.unicead.com.br


Quando a gente fala em pessoa bruta é comum vir à mente a imagem daquela pessoa grandalhona, rude, grosseira, mas nem sempre isso é verdade. O bruto pode ser algo de aparência bem singela, delicada, com aspecto meigo, mas realmente as aparências enganam tal qual o gato mosqueteiro no filme Shrek: Faz carinha de inofensivo e de repente desembainha a espada mostrando-se agressivo e feroz.


No filme “A espera de um milagre” o ator Tom Hanks interpreta um guarda penitenciário que executa a pena de morte de um inocente condenado pela sua aparência rude e ameaçadora. O filme, baseado num livro de Stephen King, relata o dilema moral entre a verdade sobre o fato criminoso e o preconceito sofrido por um dos condenados que, apesar da altura e aparência assustadora, tem alma de criança e o dom especial de curar.


Eu citei os dois filmes, pois ilustram exatamente a idéia central que quero expor neste texto. O contraste entre o real e o aparente capaz de nos confundir e nos fazer decepcionar com muitas pessoas ao longo de nossas vidas. Certa vez abaixei para olhar nos olhos de uma linda criança e ao tecer elogios ela me cuspiu na cara, os pais apenas riram. Adultos também fazem isso, mas substituem a saliva pelas palavras e expressões mais duras que encontram.


Essa decepção é algo que aparece nos relacionamentos com o tempo e, sobretudo, com a intimidade. Quando se descobre que aquela pessoa aparentemente doce é realmente uma toupeira, então resta a angústia da ingrata surpresa: a estupidez interna mascarada pela delicada feição vem à tona com toda sua pujança. O que era doce se acabou!


Aqui não cabe silogismo. Nem tudo que é belo por fora é bruto por dentro e vice-versa, porém há que se considerar as exceções e cuidar para prevenir-se delas ou aprender lidar com a reação indesejada da desconfortável descoberta.

Lembra do filme “Um anjo malvado”? Aquela criança de rosto angelical apresentava comportamento psicopata. E o filme “Dormindo com o inimigo”? Um cavalheiro carinhoso se mostra o algoz de sua esposa. Os filmes, assim como a vida estão cheios dessas belezas monstruosas. Agradáveis por fora, estúpidos por essência. Tudo é uma questão de tempo!


Infelizmente as pessoas são atraídas pela aparência e depois traídas pela realidade. O coração passa a desejar tudo aquilo que os olhos deslumbram até que o tempo possa revelar o que nos assusta de verdade: A falta de afabilidade em quem porta aparência angelical; ou seja, não é a feiúra estética que nos assusta, mas a debilidade de afetividade nas pessoas que a primeira vista nos parecem belas e atraentes.


Como é terrível estar, viver ou simplesmente trabalhar com pessoas que não temperam as palavras com amorosidade e, ao contrário, (co)respondem como quem cospe verbos bem articulados semelhantes a rajada de pedras.

O sujeito iracundo é um porre. Uma carne de pescoço. Apático e irascível, recolhe-se nas lembranças de uma infância emocionalmente miserável. Carente de tudo e de todos suas reações são quase sempre desproporcionais aos estímulos que recebe. Não desenvolveu inteligência social suficiente para escolher a melhor das várias formas que se tem para dizer ou fazer a mesma coisa. Prefere sempre fazer as coisas conforme o seu jeito estúpido de ser!


O grande sábio Salomão já advertia “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” [...] “A Língua dos sábios adorna o conhecimento, mas a boca dos insensatos derrama a estultícia”.


O pintor Michelangelo disse que "Uma coisa bela nunca causa tanta dor quanto quando não se pode ouvi-la nem vê-la". O jeito torpe de ser e falar encobre qualquer beleza mais aparente, causando ao interlocutor uma dor que não se pode explicar.


A estupidez é característica das crianças que cresceram sem desenvolver adequadamente suas emoções e por isso exprimem da pior forma possível suas opiniões e sentimentos. Quando alguém é privado de afeto na infância dificilmente se tornará um adulto amável e afável. Acabam solitários, sem amigos nem ninguém, pois raramente percebem que para conviver socialmente é necessário se desenvolver emocionalmente à despeito da criação que receberam.

Até marimbondo que escolhe viver com as abelhas pode aprender fazer mel. Parafraseando Vinicius de Moraes, os brutos e estúpidos que me perdoem, mas docilidade é essencial!

Abraços,

Prof. Chafic Jbeili

Consultor vivencial, Psicanalista, Psicopedagogo e Escritor.

CONSULTORIA - CURSOS - OFICINAS - PALESTRAS
Formação continuada e qualificação profissional
e-mail: chafic.jbeili@gmail.com
Montes Claros(MG) | Brasil

Um comentário:

  1. BIBIANE BARBOSA ALVES29 de junho de 2010 06:39

    Oi professor seu texto é uma obra de arte! gostei muito e concordo plenamente que as aparencias podem nos enganar, e como.Fiquei muito movida com a sua sensibilidade e pensei em uma frase que gosto muito do Saint de Exupery"o essencial é verdadeiramente invisivel aos olhos..." É isso ai continue a nos presentear com sua escrita.Parabens pelo bonito dom.Bibine.

    ResponderExcluir

Gostou do texto? Tem alguma consideração a fazer? Pro favor, quero saber sua opinião!

Cartilha sobre burnout em professores. Distribua!

Qual assunto te interessa mais?